CuboMusic – Pitty: Chiaroscuro (crítica)

06/08/2009 às 8:22 pm | Publicado em Música, News, Vídeo | 12 Comentários
Tags: , , , ,

cubomusic

capa_pitty_final_1_baixaPitty está lançando seu novo álbum, denominado Chiaroscuro (do Italiano, Claro e Escuro). Eu adoro a cantora e a banda, mas não pretendia falar dela hoje na coluna. Acontece que eu vi o clipe do novo Single, “Me adora” e não resisti. Por isso, o CuboMusic de hoje é dedicado à essa banda, liderada pela cantora baiana Pitty, e ao seu mais novo trabalho.

Chiaroscuro é o terceiro álbum de estúdio de Pitty. Seus precursores foram “Admirável Chip Novo” e “Anacrônico”. Todos os trabalhos da cantora são marcados pelas letras com profunda ironia e críticas à nossa realidade sociocultural absolutamente cínica.

Além do mais, o que mantém a cantora/banda nos topos das paradas são as constantes renovações na sua forma de fazer música. E Chiaroscuro não foge à regra de fugir à regra (rsrs). O álbum está mais maduro, mais filosófico, mais divertido e menos gritante. Está bem equilibrado, muito bem trabalhado; segue uma linha de coerência muito rara hoje em dia, no tempo do download de músicas avulsas, ao invés do consumo de um álbum, na consciência de que ele é a identidade presente do artista.

Em várias faixas, há citações interessantes, que vão desde filósofos e pensadores até ditos populares e composições de Roberto Carlos, o que demonstra que Pitty não faz música sem um propósito. A concepção da canção é estudada e trabalhada, como toda obra de arte deve ser. A visão que o álbum transparece é de que foi feito para atacar e combater de forma deliciosa, muitos paradigmas ainda vigentes na sociedade, desde o simples tabu de dizer um palavrão, até a problemática da mulher e sua jornada dupla (tripla, quádrupla e por aí vai…) de trabalho (leia-se todo tipo de trabalho que envolve a vida da mulher, não apenas o remunerado).

No que diz respeito às melodias, tudo está renovado. Há elementos de vários estilos musicais nas canções, mas o disco não abandona sua identidade rock. “água contida”, por exemplo, mescla elementos de tango com um refrão marcante cheio de riffs. “8 ou 80” parece ter sido feita ao longo de toda a concepção do álbum, como se representasse a busca pelo caminho que deveria ser trilhado. Me pareceu um ensaio.

“Me adora” merece um parágrafo a parte. A música é deliciosa. Faz rir e pode até chocar no primeiro instante. Somos parte formadora dessa sociedade abarrotada de falsa moral; é natural nos sentirmos inicialmente desconfortáveis perante a palavra “foda” inserida numa música. Acontece que esse possível choque cai por terra, quando a gente processa como nosso sentimento não passa de hipocrisia. A música também tem um quê de Waldick Soriano, Reginaldo Rossi e principalmente Sidney Magal. Ficou chocado? Para com isso, seu hipócrita!!! Prestem atenção se ela não tem um pouquinho maravilhoso de brega. Se discorda, me xinga lá nos comentários, ou vai conhecer uma banda chamada “Pedra Letícia” e desconstrua seus conceitos sobre o brega.

O clipe da música também foi muito bem trabalhado, bem iluminado. Perfeito.

Cotação faixa-a-faixa de Chiaroscuro. Destaque para “Medo”(#Medo), “Água Contida”, “Só Agora”, “Desconstruindo Amélia” e “Todos Estão Mudos”:

  1. “8 ou 80”4 cubos
  2. “Me Adora”6 cubos
  3. “Medo”4 cubos
  4. “Água Contida”4 cubos
  5. “Só Agora”5 cubos
  6. “Fracasso”3 cubos
  7. “Desconstruindo Amélia”5 cubos
  8. “Trapézio”3 cubos
  9. “Rato na Roda”4 cubos
  10. “A Sombra”3 cubos
  11. “Todos Estão Mudos”4 cubos

– Rapidinhas –

– Avril Lavigne anunciou que seu próximo álbum será acústico e mais maduro. Segundo a própria cantora, não é pop-rock. Fala mais de emoção e sentimento. Vamos aguardar né?
– Xuxa (Sim, a rainha dos baixinhos) vai gravar um cd de natal onde pretende regravar sucessos de Britney (It’s Xuxa Bitch) e ‘NSync. #Medo.
– Victoria Beckham, ex-Spice Girl e esposa do jogador David Beckham será jurada num dos programas da próxima edição do American Idol. Paula Abdul já declarou que não voltará mais ao programa.
– A Universal Music retirou do youtube o vídeo famoso da contora Stefhany, versão de “A Thousand Miles”, da cantora Vanessa Carlton. Stefhany já tinha sido proibida de cantar a música no Caldeirão do Hulk. Por que não proibem a Calcinha Preta também? Pelo menos stefhany é linda e absoluta.

Por hoje é só. Até semana que vem.


Entries e comentários feeds.